A ESCOLA DO DESERTO


A ESCOLA DO DESERTO

Deus treina seus líderes mais importantes na escola 
do deserto. Moisés, Elias e Paulo foram treinados por Deus
 no deserto. O próprio Jesus antes de iniciar o seu
 ministério passou quarenta dias no deserto. O deserto 
não é um acidente de percurso, mas uma agenda de
 Deus, a escola de Deus. É o próprio Deus quem nos 
matricula na escola do deserto.
O deserto é a escola superior do Espírito Santo, 
onde Deus trabalha em nós antes de trabalhar através 
de nós. Deus nos leva para essa escola não para nos 
exaltar, mas para nos humilhar.
Essa é a escola do quebrantamento, onde todos os
 holofotes da fama se apagam e passamos a depender 
total e exclusivamente da graça de Deus e da provisão
 de Deus e não dos nossos próprios recursos.

Destacaremos, aqui, três verdades importantes:

1. Na escola do deserto aprendemos que Deus está 

mais interessado em quem somos do que naquilo que 
fazemos

Deus nos leva para o deserto para falar-nos ao coração.

No deserto ele nos humilha não para nos destruir, mas 
para nos restaurar.

No deserto, Deus trabalha em nós antes de trabalhar 
através de nós, provando que ele está mais interessado 
em nossa vida do que em nosso trabalho.

Vida com Deus precede trabalho para Deus. Motivação é 

mais importante do que realização. Nossa maior prioridade 
não é fazer a obra de Deus, mas ter intimidade com o Deus
 da obra. O Deus da obra é mais importante do que a obra 
de Deus.

Quando Jesus chamou os doze apóstolos, designou-os 
para estarem com ele; só então, os enviou a pregar.

2. Na escola do deserto aprendemos a depender mais

 do provedor do que da provisão

Quando o profeta Elias foi arrancado do palácio do 
rei e enviado para o deserto, ele deveria beber da 
fonte de Querite e ser alimentado pelos corvos.

Naquele esconderijo no deserto, o profeta deveria 

depender do provedor mais do que da provisão. 
Deus o sustentaria ou ele pereceria.

Deus nos leva para o deserto para nos mostrar
 que dependemos mais dos seus recursos do que dos 
nossos próprios recursos. É fácil depender da provisão
 quando nós a temos e a administramos. Mas na escola
 do deserto aprendemos que nosso sustento vem do
 provedor e não da provisão.

Quando nossa provisão acaba, Deus sabe onde estamos, 

para onde devemos ir e o que devemos fazer. A nossa 
fonte pode secar, mas o manancial de Deus jamais 
deixa de jorrar. Os nossos recursos podem escassear, 
mas os celeiros de Deus continuam abarrotados. Nessas 
horas precisamos aprender a depender do provedor 
mais do que da provisão.

3. Na escola do deserto aprendemos que o treinamento 

de Deus tem o propósito de nos capacitar para uma 
grande obra
Todas as pessoas que foram treinadas por Deus no 
deserto foram grandemente usadas por Deus. Quanto
 mais intenso é o treinamento, mais podemos
 ser instrumentalizados pelo Altíssimo.
Porque Moisés foi treinado por Deus quarenta anos no
 deserto, pode libertar Israel da escravidão e guiar esse 
povo rumo à terra prometida.
Porque Elias foi graduado na escola do deserto pode
 enfrentar, com galhardia, a fúria do ímpio rei Acabe
 e trazer de volta a nação apóstata para a presença 
de Deus.
Porque Paulo passou três anos no deserto da Arábia,
 ele foi preparado por Deus para ser o maior 
líder do Cristianismo.
Quando Deus nos leva para o deserto é para nos
 equipar e depois nos usar com graça e poder em 
sua obra.
Deus não desperdiça sofrimento na vida dos seus filhos. 
Ele os treina na escola do deserto e depois os usa com
 grande poder na sua obra.
Não precisamos ter medo do deserto, se aquele que 
nos leva para essa escola está no comando
 desse treinamento.
O programa do deserto é intenso. O curso é muito 
puxado. Mas, aqueles que se graduam nessa 
escola são instrumentalizados e grandemente 
usados por Deus!
Pr. Hernandes Dias Lopes
A PAZ DO SENHOR A TODOS

Nenhum comentário:

Postar um comentário