PROPOSTA - PARTE 47 E 48 - DE ALLAN PERCY,DO LIVRO: OSCAR WILDE PARA OS INQUIETOS




47 – Nunca viajo sem meu diário. Sempre deveríamos levar algo admirável para ler no trem.
Para quem não tem dinheiro nem vontade de procurar um psicanalista, escrever um diário é uma excelente maneira de explorar seu interior e descobrir desejos e motivações dos quais nem sequer tem consciência.
Embora a febre dos blogs pareça ter roubado o espaço do diário encadernado que se fechava com chave, a magia da caneta e do papel persiste. Se você quer manter um diário:
1. Comprometa-se a uma frequência mínima: por exemplo, todas as tardes de domingo, dedique uma hora a escrever.
2. Após anotar a data, deixe que a caneta corra livremente para expressar seus sentimentos.
3. Depois de escrever um texto, coloque ao lado da data um título que mais tarde permita localizar facilmente seu assunto.
4. Releia algumas páginas de vez em quando. Esse é o prazer de um diário!
5. Não se envergonhe do que sentiu. Essas emoções levaram você a ser quem é.

48 – Dever é o que esperamos do comportamento dos outros.
Frequentemente esquecemos que nossa principal obrigação é sermos fiéis a nós mesmos, pois quanto mais nos sentirmos donos de nossa vida, menos precisaremos impor, obrigar e exigir.
Tomar as rédeas da própria vida significa pensar por si mesmo, sentir por si mesmo, decidir por si mesmo e assumir as consequências de todos os seus atos. Significa sermos responsáveis e portanto...
  - livres do peso da opinião dos outros e donos da própria sorte.  
  - conscientes de que a felicidade dos outros não depende de nós, desde que, como prega o budismo, nossos atos não os impeçam de ser felizes.
  - capazes de ajudar as pessoas à nossa volta a evoluir, em vez de censurá-las por meio de críticas e desprezo.
  - escultores que fazem da vida a melhor obra de arte (como afirmou Oscar Wilde).
  - desobrigados de esperar dos outros aquilo que não exigimos de nós mesmos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário