PROPOSTA - PARTE 68 E 69 - DE ALLAN PERCY,DO LIVRO: OSCAR WILDE PARA OS INQUIETOS

68 – O que nos absolve é a confissão, não o padre.
No fim de sua vida, Oscar Wilde foi rejeitado pela sociedade e levado a julgamento, acusado de manter relações homossexuais com um jovem. Enganado por ele e mandado para a prisão, em 1897 lhe escreveu uma das cartas mais bonitas da história moderna.
Publicado sob o título De profundis, o texto assim se dirige ao jovem:
Ainda estou muito longe do verdadeiro caráter da alma, como demonstra claramente esta carta, com seu espírito vacilante e incerto, seu sarcasmo e sua amargura, seus propósitos e sua incapacidade de cumpri-los, mas não se esqueça da terrível escola em que faço minha aprendizagem. Mesmo sendo eu incompleto e imperfeito, de mim você ainda tem muito a receber. Veio a mim para aprender os prazeres da vida e da arte. Talvez me tenha sido dada a chance de lhe ensinar algo muito mais maravilhoso: o sentido da dor e sua beleza.
Encontrar um sentido para a dor é, segundo a logoterapia, um bálsamo para a própria dor. Se, além disso, soubermos revestir de beleza essa consciência, então transformaremos cada momento difícil em uma experiência sensível e enriquecedora.

69 – Gosto de escutar a mim mesmo. É um dos meus maiores prazeres.
Converso comigo com frequência e sou tão inteligente que às vezes não entendo uma só palavra do que digo. o escritor hondurenho Augusto Monterroso dizia que, para saber o que pensava, tinha que escrever. Já o filósofo austríaco (depois naturalizado britânico) Ludwig Wittgenstein acreditava que, apesar de ser fácil saber o que dizemos, seria difícil explicar por que o dizemos. Poderíamos situar Oscar Wilde entre os dois. Ele sabia escolher as palavras apropriadas, embora nem sempre as utilizasse para fins práticos. Foi um apaixonado pela beleza e teve um trágico fim, rechaçado pela sociedade e condenado à prisão. Em sua obra, soube contar com graciosidade até as histórias mais sinistras, como a de Dorian Gray, mas também soube jogar com as palavras, provocando mal-entendidos e escândalos quando atacava os costumes estabelecidos e defendia os hábitos incomuns.
Graças à beleza indiscutível de sua alma e à sua grande inteligência, até hoje o consideramos um gênio. Em seus textos, não só percebemos como a combinação de palavras pode ser bela, como também nos damos conta de que o pensamento só é livre quando não carrega o peso dos lugares-comuns e das visões preestabelecidas.
Às vezes, não entender nada – nem mesmo as próprias palavras – é o mais sensato ante o absurdo de certas situações.

Nenhum comentário:

Postar um comentário